PROFESSORA MARIA JULIA

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

A Descolonização Afro-Asiática


A DESCOLONIZAÇÃO AFRO-ASIÁTICA
Denomina-se descolonização o processo, ocorrido, sobretudo nas décadas de 1950-1960, que colocou fim aos impérios coloniais europeus.

1- "Foi em 1968 que os Beatles cantaram a famosa música 'Revolution', fazendo sucesso ao som de um instrumento hindu, a cítara, aliada à guitarra elétrica."
"(...) E exprimia o novo mundo que se impunha, com ramos americanos, japoneses, africanos e indianos se cruzando, se interpondo no panorama da história contemporânea. A 'mancha branca' que tanto ameaçara os continentes asiático e africano parecia perder a força em contato com a 'sombra' amarela e a preta que, de forma revolucionária, tomava conta da Terra, tentando mudar o mundo
(...)." "Nessa década, trinta nações africanas irromperam no cenário mundial. Só nos doze primeiros meses, conhecidos como o 'Ano da África', dezessete países conseguiram sua independência política
(...)" (Canêdo, Leticia Bicalho. A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁSIA E DA ÁFRICA. 8 ed., São Paulo: Atual, 1992, p. 33).
O texto anterior se refere à década de 60 deste século, importantíssima para a descolonização da África. Sabemos, entretanto, que a emergência do continente africano se dá após 1955, sendo a Região do Magrheb, com exclusão da Argélia, a primeira a se tornar independente, em 1956. Qual a importância da Conferência de Bandung (Indonésia) para o início da descolonização da África?

Mapas extraídos de H. L. Wesseling. Dividir para dominar: a partilha da África, 1880-1914. São Paulo: Revan/Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1998, p. 462-463. (Adaptado).

2- Respondam:
a) A que processo histórico os mapas acima se referem?
b) Quais os interesses dos europeus pela África, nesse período?
c) Caracterize o processo de descolonização da África.

3- Um professor apresentou os mapas a seguir numa aula sobre as implicações da formação das fronteiras no continente africano. Com base na aula e na observação dos mapas acima, os alunos fizeram três afirmativas:
I. A brutal diferença entre as fronteiras políticas e as fronteiras étnicas no continente africano aponta para a artificialidade em uma divisão com objetivo de atender apenas aos interesses da maior potência capitalista na época da descolonização.
II. As fronteiras políticas jogaram a África em uma situação de constante tensão ao desprezar a diversidade étnica e cultural, acirrando conflitos entre tribos rivais.
III. As fronteiras artificiais criadas no contexto do colonialismo, após os processos de independência, fizeram da África um continente marcado por guerras civis, golpes de estado e conflitos étnicos e religiosos.
É verdadeiro apenas o que se afirma em:
a) I.
b) II.
c) III.
d) l e ll. e) ll e lll.
Fonte: Demétrio Magnoli. O Mundo Contemporâneo. 2002. Pg.88

4- O mapa acima representa:
a) a criação do Estado Livre de Bangladesh em 1972.
b) o domínio britânico sobre o subcontinente indiano no século XIX.
c) a repartição da Índia após a emancipação política em 1947.
d) o conflito entre os paquistaneses e indianos pelo controle da Caxemira em 1965.

5- Associe as colunas.
1. Subdesenvolvimento
2. Neutralismo
3. Neocolonialismo
4. Apartheid
5. Descolonização
( ) Política defendida na conferência de Bandung (1955) por alguns países afro-asiáticos, ante a oposição entre capitalismo e comunismo.
( ) Estágio em que se encontram países que têm a maioria das atividades econômicas desenvolvida mediante investimentos de capitais estrangeiros e que ostentam grandes desigualdades sociais.
( ) Política que priva os não-brancos de todos os direitos políticos e civis e da maior parte dos direitos humanos.
( ) Processo histórico que se traduziu na obtenção gradativa da independência das colônias européias situadas na África e Ásia.
A seqüência correta é
a) 1 - 2 - 3 - 4.
b) 2 - 4 - 3 - 5.
c) 1 - 3 - 5 - 4.
d) 5 - 3 - 2 - 1.
e) 2 - 1 - 4 - 5.

6- Reflitam: · "A verdade e o amor sempre venceram. Houve tiranos e assassinos e eles pareciam invencíveis. Mas, no final, sempre caem. Pense nisso...sempre...". · "A primeira coisa, portanto, é dizer-nos a nós mesmos: Não aceitarei mais o papel de escravo. Não obedecerei às ordens como tais, mas desobedecerei quando estiverem em conflito com minha consciência. O assim chamado patrão poderá surrar-nos e tentar forçar-nos a servi-lo. Direis: Não, não vos servirei por vosso dinheiro ou sob ameaça. Isso poderá implicar sofrimentos. Vossa prontidão em sofrer acenderá a tocha da liberdade que não pode jamais ser apagada". · "Para triunfar a nossa causa estamos dispostos a derramar o nosso sangue - não o vosso".
Este revolucionário orientou o seu povo a exercer a desobediência civil, que está fundamentada no princípio da ação não violenta.
Referimo-nos a:
a) Emiliano Zapata.
b) Mao-Tsé-Tung.
c) Gandhi.
d) Nehru.
e) Kennedy.

7- A descolonização do Oriente Médio enfrentou sérias dificuldades decorrentes, entre outras razões, das arbitrariedades cometidas na demarcação dos territórios de cada uma das novas nações. Esse procedimento, ao tentar solucionar os problemas dos ex-dominadores, dividiu grupos tradicionais, tirando-lhes regiões ricas ou estratégicas, colocando, com isso, os nascentes Estados em rivalidade permanente e levando, algumas vezes, ao surgimento de guerras como a Guerra dos Seis Dias (1967).
Esse conflito trouxe como principal problema para aquela região:
a) o boicote petrolífero determinado pela OPEP contra os países do Ocidente.
b) a guerra civil no Líbano após a queda de Nasser no Egito.
c) a ocupação por Israel de vários territórios árabes, principalmente a margem ocidental do rio Jordão.
d) a internacionalização de Jerusalém e a ocupação israelense em Golan.
e) o fechamento do Canal de Suez e a ocupação egípcia da região do Sinai.

8- O filme "Apocalypse Now", dirigido por Francis Ford Coppola, data de 1979 e trata dos horrores da Guerra do Vietnã. Antes dele, "O Franco Atirador" (1977), de Michael Cimino, e o documentário "Corações e Mentes" (1975), de Peter Davies, também abordaram essa temática. Mais recentemente, são conhecidos os filmes de Oliver Stone e as produções em série de "Rambo". Os comentários anteriores indicam que, além de ainda render bilheteria, a Guerra do Vietnã significa para a sociedade norte-americana um problema mal resolvido.
Sobre o impacto da Guerra do Vietnã para os EUA, pode-se dizer que:
( ) a participação norte-americana no Vietnã, circunstanciada pela Guerra Fria, inseriu a economia estadunidense numa crise sem precedentes, o que motivou, desde o início da década de 1970, uma posição governamental contrária à guerra.
( ) a participação dos EUA, na Guerra do Vietnã esteve associada mais a uma lógica econômica do que política. Os americanos buscavam, na verdade, conquistar mercados consumidores e fontes de abastecimento de matéria-prima, visto que o Vietnã possuía vastas reservas petrolíferas.
( ) no final da década de 1960 e no decorrer da década de 1970, um novo estado de ânimo dominou parte da sociedade norte-americana. As imagens da guerra alimentaram uma oposição que teve nas manifestações pacifistas sua expressão maior.
( ) o dilema norte-americano, diante da guerra, persiste porque não foi possível uma vitória, mas sim uma paz honrosa, como havia dito Nixon. No entanto, essa paz não cicatrizou as feridas abertas pela guerra. Os filmes sobre o Vietnã insistem em difundir o sofrimento dos soldados e a insensatez da guerra, abrindo um espaço de discussão acerca de sua memória.

9- "Durante o processo de descolonização afro-asiática que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, no seio do mundo muçulmano em fermentação, despontou um novo fator que complicou as relações entre os Estados do Oriente Médio, e contribuiu ainda para exaltar o sentimento de libertação e aumentar o antagonismo entre as potências dominantes." Apoiando-se no texto acima, substitua a expressão "novo fator" pelo nome do país inserido no mundo árabe e relacione os motivos que vêm contribuindo para prolongar os conflitos no Oriente Médio.

10- "O Oriente Médio é, sem dúvida, o local mais explosivo do mundo contemporâneo. A região fazia parte do Império Otomano, tornando-se protetorado franco-britânico após a I Guerra Mundial. Tal como ocorria na Ásia e na África, após a II Guerra iniciou-se o processo de descolonização, mas, em função da Guerra Fria e dos interesses petrolíferos, esse processo foi extremamente tumultuado." (Marques,A.; Berutti, F. e Faria, R. História do tempo presente,Textos e Documentos 7. São Paulo: Ed. Contexto, 2003, p.169.)

Em relação ao Oriente Médio, os fatos relacionados às questões explosivas na região são:
a) Criação do Estado de Israel, Formação da OLP e Guerra do Golfo.
b) Guerra Irã x Iraque, Guerra do Yom Kippur e Revolução Sandinista.
c) Guerra dos Seis dias, Formação da OLP e Guerra das Coréias.
d) Formação do Estado da Palestina, Ocupação da faixa de Gaza e Nacionalização do canal de Suez.
e) Guerra do Vietnã, Guerra do Irã x Iraque e Guerra do Golfo.